FSM News

As ações mundiais estavam fixas na quarta-feira logo acima da mínima de oito semana, enfraquecidas pelos custos de empréstimos de longo prazo dos EUA próximos de seus picos de vários anos, renovando os receios para a economia global e a possibilidade de um conflito entre a Itália e os UE sobre os gastos orçamentários.

Os efeitos nos mercados mundiais da venda em massa dos títulos da semana levaram os rendimentos dos títulos de 10 anos para máxima de sete anos e foram agravados pelas preocupações sobre o crescimento econômico originados dos conflitos comerciais e do barril de petróleo à US$ 80, enquanto o Fundo Monetário Internacional reduzia suas previsões do PIB mundial pela primeira vez em dois anos.

As estimativas do FMI para os Estados Unidos e a China foram ambas reduzidas, com o fundo prevendo que os países sentiriam os efeitos de sua guerra comercial no próximo ano, também cortou as previsões de 2019 para os mercados emergentes.

O índice mundial de ação da MSCI que negociou nos últimos quatro dias no vermelho, estava fixo. Enquanto a maioria dos mercados asiáticos aumentou, as ações europeias recuaram 0,2%, uma vez que os setores de tecnologia e artigo de luxo foram atingidos pela fraqueza da tecnologia nos EUA e os receios de uma desaceleração na economia chinesa. Os futuros de Wall Street indicaram uma abertura plana para o S&P 500, enquanto o NASDAQ de tecnologia pesada estava definida para cair.

“Nós estamos vendo mais investidores optando por esperar e ver como os riscos em torno do aumento dos rendimentos do Tesouro dos EUA, crescimento global e na China atuarão,” disse Jasper Lawler do London Capital Group.“Os riscos de curto-prazo para a estabilidade financeira mundial aumentaram rapidamente durante os últimos meses. Os mercados têm estado relativamente complacentes, mas nós estamos começando a ver um reconhecimento destes riscos.” 

 FSMNews

Enquanto isto, na China, o yuan caiu frente ao dólar pela quinta sessão das últimas seis para se aproximar da mínima de quatro anos que foi atingida em agosto.

O foco está no próximo relatório semianual dos EUA da próxima semana sobre moedas que, muitos acreditam, poderá acusar Pequim de manipular a depreciação do yuan.

As ações têm sido agitadas esta semana por uma venda em massa nos tesouros dos EUA onde os custos de empréstimos de 10 anos atingiram um pico de sete anos e meio de 3,261. Os rendimentos permaneceram nestes níveis, mas aumentaram 2 pontos bases no dia para 2,23%.

“Nós estamos de alguma maneira em um momento crítico, uma encruzilhada, para os mercados de títulos e ações,” disse Marie Owens Thomsen, que é o chefe mundial de pesquisa econômica na Indosuez Wealth management.

Os rendimentos de 10 anos em 2% favorecem inequivocamente o investimento de ação, mas este não é o caso acima de 3%, disse ela.

“Em janeiro deste ano, pegamos o identificador de 2% (rendimento) e agora estamos nos perguntando se estamos eliminando permanentemente o identificador de 3% também. Isso torna o clima para as ações muito mais desafiador ”.

Owens Thomsen alertou, entretanto, que a desaceleração no crescimento econômico pode limitar o aumento nos rendimentos. A venda em massa do tesouro deve ser pausada após o presidente Donald Trump ter reclamado que o Federal Reserve estava indo muito rápido com os aumentos dos juros.

 

Enquanto isto, na Europa, tem havido uma retórica mais belicosa dos políticos italianos, muitos dos quais parecem estar se preparando para uma batalha com as autoridades da União Europeia após divulgar um déficit orçamentário maior do que o esperado.

 

 

Saiba mais sobre os últimos acontecimentos do mercado aqui no FSMNews. Assine agora para FSMNews para obter informação atualizada sobre forex, commodities, ações, tecnologia, economia e muito mais.