FSM News

Os futuros de ações dos EUA negociaram mistas na sexta-feira, uma vez que a atividade fabril instável na China e o guia pessimista da gigante de comércio eletrônico deu uma pausa no otimismo após o S&P ter registrado seu melhor mês desde 2015.

Os futuros do S&P 500 estavam em alta de 0,1% para US$ 2.708,12, enquanto os futuros do Dow ganharam 0,2% para US$ 25,029 e os futuros da Nasdaq de tecnologia pesada caiu 0,02% para US$ 6.913,12.

A Amazon caiu 2,9% para US$ 1.668,01, tendo acumulado 4,5% para US$ 1.641,00 na negociação pré-mercado após o titã de comércio eletrônico ter estimado receita trimestral abaixo das expectativas dos analistas, ofuscando suas vendas e lucro recordes durante a temporada de férias.

As ações da Amazon, que subiu cerca de 14% este ano, deixaram os futuros da Nasdaq mais baixos.

 

Desaceleração Econômica Global

 FSMNews

Grande parte do mundo viu a atividade fabril crescendo a seu ritmo mais lento em anos em janeiro, aumentando ainda mais os temores de que as tarifas comerciais, a incerteza política e a demanda caindo imporia uma ameaça crescente para o crescimento econômico mundial.

 

O presidente dos EUA, Donald Trumpe, declarou que ele poderá encontrar o presidente chinês, Xi Jinping, em breve para fechar um acordo comercial amplo antes do prazo comercial de 1 de março.

As notícias foram ofuscadas pelos temores de que o impacto global da guerra comercial entre os dois países ainda esteja em curso, com o índice dos gerentes de compra da China (PMI) contraindo-se para 48,3, seu segundo mês consecutivo de declínio e a menor leitura desde fevereiro de 2016.

Os investidores estão esperando que um acordo comercial entre as duas maiores economias do mundo poderá reduzir um pouco dos temores de desaceleração.

O mercado de ações dos EUA encerrou em uma nota positiva no mês passado após o Federal Reserve ter prometido ser paciente com mais aumento das taxas de juros este ano e o anúncio de Trump sobre a reunião com Xi em breve para tentar fechar uma acordo comercial.

 

 

Os dados do Departamento Trabalhista mostraram na sexta-feira que a folha de pagamento não-agrícola teve um aumento de 304.000 empregos em janeiro para registrar seu nível mais alto desde fevereiro de 2018 e superando as expectativas dos analistas de 165.000.

O relatório de empregos chega a milhares de empregados federais que estavam afastados e estão de volta ao trabalho após a recente paralização parcial do governo.

A paralização parcial de 35 dias do governo, que se encerrou na semana passada, também não teve impacto perceptível no crescimento de empregos. O relatório veio alguns dias depois do Fed ter dado sinais de que sua campanha de aumento das taxas de três anos poderá estar se aproximando do seu fim devido as crescentes forças de resistência para a economia.

 

O vice-presidente de negociação e derivativos, Randy Frederick, disse que o número da folha de pagamento estava significativamente mais forte do que era esperado, portanto muito mais pessoas estão encontrando emprego.

Frederick acrescentou que há uma grande preocupação com as taxas de crescimento na China e isto certamente diminui alguma preocupação interna.

 

Os mais recentes acontecimentos do mercado estão aqui em FSMNews. Assine agora para FSMNews e obtenha sua dose diária de informação sobre forex, commodities, mercado de ações, tecnologia, economia e muito mais.