FSM News

A quarta-feira viu a China publicar relatórios econômicos mistos para outubro. Houve vendas de varejo enfraquecidas, que indicaram um ritmo de consumo moroso, mesmo com um pico na produção industrial e investimento dado sinais de que esforços de apoio pelo governo chinês pode começar a mostrar resultados.

Os dados divulgados na quarta-feira juntamente com os fracos dados de crédito sugerem que a segunda maior economia do mundo continuará a desacelerar nos próximos trimestres.

Este é considerado o crescimento econômico mais fraco desde a crise financeira e os formuladores de política estão acelerando projetos rodoviários e ferroviários de bilhões de dólares, convencendo os bancos a emprestarem mais e contarem taxas para amenizar as restrições nos negócios.

Mais medidas de apoio são esperadas para ocorrer.

“Medidas políticas, incluindo apoio de investimento por empresas privadas, precisam de algum tempo para mostrar resultados. O crescimento do PIB no quarto trimestre pode diminuir abaixo de 6,5%,” disse Wang Jun, que é o economista chefe no Zhongyuan Bank com sede em Pequim.

A manufatura tem recebido mais apoio de empresa com exportações resilientes, a medida que eles se apressam para enviar produtos para os Estados Unidos antes das taxas tarifárias mais altas, em meio às tensões comerciais persistentes entre as duas maiores economias do mundo.

FSMNews

Para tanto, os investidores estão esperando resultados melhores decorrentes das negociações comerciais entre o presidente dos EUA, Donald Trump e seu equivalente chinês, Xi Jinping, no final deste mês.

Entretanto a maior preocupação é no país asiático, onde o mercado imobiliário continua desaquecer, diminuindo o consumo doméstico em meio a crescente dívida familiar. O setor imobiliário é um grande propulsor da economia chinesa.

As vendas de varejo aumentaram 8,6% em outubro em relação ao ano anterior, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística. Este é o menor desde maio. Os analistas esperavam uma queda marginal de 9,2% em setembro.

Uma morosidade estendida nas vendas de automóveis tem colocado o maior mercado de carros do mundo à beira da sua primeira contração anual desde pelo menos 1990, enquanto as vendas de vestuário estão crescendo à um ritmo mais lento em mais de dois anos, indicando uma diminuição da confiança do consumidor.

“Há razões inumeráveis para este recuo nos gastos do consumidor: o aumento da dívida de hipoteca está comendo a renda disponível, os retornos de investimento estão diminuindo e o fechamento de muitos credores online está acabando com uma das principais fontes financeiras do consumidor,” disse Everbright Sun Hung Kai em uma nota.

Pequim está procurando diminuir o entrave ao cortar tarifas de importação e imposto de renda. Na verdade, tem sido reportado que estava considerando fazer isenções tributárias nos pagamentos de hipotecas. Entretanto, estas políticas podem não ter muito impacto, disse Everbright.

O gigante de e-commerce, Alibaba Group Holding Ltd, publicou um registro de 213,5 bilhões de yuan (US$ 30,70 bilhões) em vendas no domingo no Dia do Solteiro da China, que é um evento anual de compras de 24 horas. Entretanto, o espaço para crescimento caiu para taxa mais lenta na história do evento de 10 anos.

As vendas morosas do varejo foram causadas por fatores sazonais, disse Liu Aihua, que é uma porta-voz do instituto de estatística.

Por outro lado, os analistas afirmaram que o crescimento de vendas tem estado em uma direção descendente desde março.

 “Quase todas as categorias nas vendas de varejo decepcionaram em outubro. Nós achamos que o estímulo fiscal do governo chegou muito tarde e as pessoas tendem agora a poupar mais e gastar menos,” disse Iris Pang, economista da Grande China no ING bank em Hong Kong.

“Nós esperamos que o efeito da redução do imposto de renda pessoal começará a ser sentido quando as vendas de varejo possam ganhar alguma força.”

Saiba mais sobre os últimos acontecimentos do mercado aqui em FSMNews. Assine agora para FSMNews e obtenha sua dose diária de informação sobre forex, commodities, mercado de ações, tecnologia, economia e muito mais.