FSM News

Xiaomi Corp. está considerando levantar cerca de metade da sua oferta pública inicial proposta de US$ 10 bilhões de investidores chineses.

De acordo com pessoas familiarizadas com o assunto, a companhia pode buscar cerca de US$ 5 bilhões da venda de recibos de depositários chineses e um valor similar da venda de ações em Hong Kong.

A divisão dependerá da demanda em dois mercados e pode mudar antes da OPI. Além disso, a companhia está visando uma avaliação de cerca de US$ 75 bilhões embora este número possa mudar.

CDR’s da Xiaomi

A OPI da Xiaomi, a maior desde do lançamento da Alibaba em 2014, chega quando a China avança para buscar atrair mais listagens de sucesso através de CDR’s que permite uma versão das ações serem negociadas em bolsas locais.

Vender mais ações para investidores locais deixa a companhia alinhada com as metas políticas de Pequim e ajuda a chegar a uma avaliação mais alta.

A companhia de 8 anos publicou sua primeira perspectiva para os CDR’s em Xangai na segunda-feira, divulgando uma perda de mais de US$ 1 bilhão no trimestre de março, quando começa a avaliar a demanda pelo OPI.

A venda da ação será usada para abastecer a expansão para fora da China e impulsionar o desenvolvimento de serviços de celular e mídia.

A China ainda está desenvolvendo as regras finais para os CRD’s e levantar metade do dinheiro através de tais ações que representaria uma proporção maior do que o esperado. A companhia planeja vender cerca de 30% da ação para investidores da China territorial.

Em sua perspectiva de CDR, Xiaomi disse que seus planos para usar cerca de 40% dos dos lucros para aumentar sua presença global. A Xiaomi registrou um prejuízo líquido de 7 bilhões de yuans na receita de 34,4 bilhões de yuans no primeiro trimestre.

“Em 2018, a companhia planeja entrar ou se consolidar posições nos mercados do Sudeste da Ásia e Europeu,” Xiaomi disse em suas perspectivas chinesas, que não mencionou uma meta de levantamento de fundo.

Inscreva-se para FSM News e conheça as notícias mais recentes sobre marketing. Nós fornecemos notícias abrangentes e mais recentes e análise sobre Forex, commodities, tecnologia, finanças, economia e muito mais.